Na Nuvem e na Edge: o novo mundo do gerenciamento de Data Center de Edge

Grandes mudanças estão acontecendo com o gerenciamento de Data Center à medida que a ênfase muda de operações do núcleo para a Edge. O núcleo não é menos importante, mas a mudança para a Edge abre novos desafios dentro de ambientes ainda mais complexos. As funções de gerenciamento de TI e as ferramentas de suporte e infraestrutura devem mudar de acordo com a transição para novos Data Centers de Edge.

Um novo mundo de gerenciamento de Data Center está sendo impulsionado pelo rápido crescimento na implementação de ambientes de Edge Computing e TI “não tradicional”, com analistas prevendo que 80% das aplicações corporativas serão baseadas em nuvem em 2025. Destacar essas tendências gera uma fome por dados com insights acionáveis e um foco maior na experiência do cliente. Sejam usuários internos ou clientes externos, os serviços recebidos serão hospedados e acessados em vários locais. Não importa ao usuário de onde o serviço vem ou como ele é entregue, apenas a qualidade é importante.

Minimize a complexidade no gerenciamento do Data Center de Edge para obter melhores resultados comerciais

Para as equipes de TI, a mudança não é o gerenciamento de equipamentos que fornecem os serviços onde e quando o usuário quiser. O desafio para os profissionais de TI é proporcionar uma experiência de usuário perfeita.

Este novo foco é acelerado por forças internas e externas. Internamente, os negócios tradicionalmente têm pouco interesse nas operações de TI. Hoje, há ainda menos preocupação com o que é TI - a empresa está realmente interessada apenas no que ela faz e quanto custa. As equipes de TI estão sendo orientadas a se concentrarem na execução de aplicações em nome da empresa, não na operação do Data Center em nome do departamento de TI. Ao mesmo tempo, a empresa espera que o gerenciamento dos ativos de infraestrutura seja automatizado e eficientemente provisionado do hub centralizado para a Edge.

Externamente, mudanças rápidas e monumentais na entrega em múltiplas nuvens, Edge Computing e IA (Inteligência Artificial) estão criando novos desafios e oportunidades para o gerenciamento de TI. Por exemplo, novas aplicações, como o IA, introduzem dados na nuvem, on premise e na Edge, em volumes nunca antes vistos. IA tem a ver com gerar valor comercial e não pode ser restringida por falhas de equipamento ou desempenho abaixo do ideal. Para garantir que a infraestrutura esteja disponível e o desempenho conforme necessário, serão precisos novos níveis de visibilidade de gerenciamento e monitoramento.

Aproveite o ecossistema em evolução na edge e atenda às demandas de negócios

A TI já foi relativamente simples: acompanhar os mais recentes avanços da indústria de tecnologia que se transformam em conjuntos de produtos e investir sabiamente naqueles com os roteiros mais claros. Hoje, com foco nos resultados de negócios e menos recursos, você precisa de automação, inteligência artificial e tecnologia para ajudar a gerenciar a Edge e o Data Center.

Para responder às demandas das empresas por informações rápidas e precisas, a TI como serviço se concentrou na entrega de aplicações, não no gerenciamento da infraestrutura. As opções disponíveis de como entregar uma aplicação específica nunca foram tão grandes e envolvem cada vez mais soluções de hospedagem na nuvem e na Edge.

O futuro está na visibilidade, na Edge

Em um artigo amplamente lido, Dave Cappuccio, do Gartner, forneceu uma visão para o futuro do Data Center, declarando que até 2025 o Data Center corporativo como o conhecemos hoje estará morto.

O obituário do Gartner para o Data Center é oportuno e pode estar correto. Cappuccio reconhece que ainda não é hora dos últimos suspiros e ele é bastante sábio ao não exagerar muito nos relatos de sua morte imediata. Podemos estar certos de que não há exagero nos relatos da necessidade de transição para o próximo estágio. Isso começa com a visibilidade de todas as operações de infraestrutura, da nuvem até a Edge. Uma estratégia de gerenciamento de Data Center bem-sucedida deve incluir uma plataforma de gerenciamento baseada em nuvem que ofereça visibilidade em toda a infraestrutura de TI. Junto com um repositório de dados fortalecido por especialistas em energia e resfriamento, as equipes de TI têm tempo para se concentrar em atividades mais estratégicas que impulsionam o sucesso dos negócios.

*Alan Satudi é gerente de Marketing de Produtos da divisão de TI da Schneider Electric Brasil.

Para acessar as mais recentes notícias da Schneider Electric

Clique aqui