"Se essas paredes falassem...". Quem não desejou alguma vez que fosse assim?  Agora elas podem falar.  E vão dizer-lhe coisas de que você precisa saber. Sua casa lhe diz que tem um estranho na porta. Apenas deslizando o dedo você pode ver que é a sua sogra carregando um pacote. A casa não vai lhe dizer se ela está segurando um jantar quente, mas você poderá abrir a porta mesmo não estando lá (ou mantê-la fechada...). 


São 4 horas da tarde e a casa lhe diz que a sua filha adolescente ainda não voltou da escola. Você fica aliviado ao saber, por uma mensagem de texto, que ela não está com o rapaz com quem anda flertando ultimamente, mas tomando aulas de reforço na escola. 


A casa o avisa de que o alarme para detecção de fumaça se ativou. Você pode determinar de forma remota em qual dependência há fumaça, e aproveitar uma chamada às crianças para elas aprenderem outra lição sobre como usar corretamente o forno elétrico para fazer pizza. 


Você saiu de férias por duas semanas, mas esqueceu-se de desligar o ar condicionado. Enquanto tira as sandálias e de deita na espreguiçadeira, abre um aplicativo no telefone e desliga o ar condicionado de forma remota, economizando centenas de dólares em eletricidade. AGORA vai ter umas férias reparadoras. 


Você se esqueceu de aumentar a temperatura do aquecimento em seu refúgio de inverno depois de esquiar todo o fim de semana. Remotamente, modifica a temperatura para garantir que as tubulações não congelem.

 

Estas não são mais ideias futuristas de uma casa para os Jetsons, mas conceitos disponíveis em uma galáxia próxima a você. Essa tecnologia está sendo instalada em mais e mais casas como a sua. 


Com os avanços tecnológicos, ter uma casa conectada hoje é mais viável do que nunca. A mudança começou com a chegada de redes mais rápidas e a maior largura de banda de todos os tempos. Além disso, o menor custo dos circuitos e dos sensores de detecção mais modernos, bem como de equipamentos sem fio, possibilitou o grande aumento de produtos de consumo conectados. A geração atual quer ficar conectada, e não só às redes sociais, mas aos dispositivos com os quais interage diariamente.  A proliferação desta tendência é possível em virtude do conveniente e onipresente smartphone ao qual estamos todos presos, como nossa própria coleira virtual... ou uma cerca invisível. Nosso smartphone transforma-se em janela, um painel de cristal único através do qual podemos monitorar, gerenciar e controlar os nossos dispositivos.

Há muitos tipos de dispositivos conectados:

  • tablets
  • TVs
  • consoles de games
  • fechaduras
  • eletrodomésticos (geladeiras, máquinas de lavar e secar roupas)
  • termostatos
  • detectores de fumaça
  • câmeras de vídeo
  • interruptores
  • lâmpadas
  • tomadas de saída
  • etc.

Em 2008, já existiam no mundo mais dispositivos conectados do que pessoas. De fato, a Gartner prediz que até 2020 haverá mais de 26 bilhões de dispositivos conectados.  Além de estar conectados, através da Internet das Coisas (IoT), esses dispositivos vão interagir entre eles, melhorando ainda mais as nossas experiências pessoais.

Independentemente de quais dispositivos nós tenhamos ou de como utilizamos esses artefatos "conectados", existe um denominador comum: todos eles devem estar CONECTADOS para cumprir seu propósito.  A falta de conexão, em muitos casos, pode ter consequências graves (alarmes, segurança); em outros, pode impactar na produtividade; e em quase todos, pode causar frustração a uma geração que procura a gratificação imediata e tem pouca tolerância diante da falta de conectividade. Portanto, a conexão subjacente, o tecido comum, se você quiser, é a rede e sua disponibilidade. Se a rede falha – não recebe energia ou não responde mais –, perdemos o controle, a capacidade de gerenciamento e a conveniência na qual hoje aprendemos a confiar.  Em sua casa, a rede costuma ser composta pelo roteador sem fio e mais algum dispositivo do provedor de Internet (modem, roteador, etc.).


As tempestades e os cortes de energia podem interromper facilmente a conexão de rede, no momento exato em que você mais precisa dela. Perder o acesso à Internet interrompe as nossas comunicações e, ainda mais importante, limita-nos se quisermos entrar em contato com amigos e familiares durante um evento potencialmente perigoso. A melhor maneira de manter-se conectado à Internet durante cortes de energia é proteger os equipamentos da rede doméstica e carregar os dispositivos inteligentes com um sistema de fornecimento de energia ininterrupta (nobreak). Os nobreaks Back-UPS da APC by Schneider Electric vão manter a sua rede funcionando por horas e vão carregar adequadamente os seus dispositivos móveis. O BGE70 pode oferecer horas de autonomia a dispositivos de pouca potência, como hubs e roteadores, e a função de guarda do BG500 automaticamente restabelece a conexão à Internet, reinicializando os dispositivos de rede, quando detecta que a conectividade foi perdida, o que é muito comum se o sistema fica atolado com muitas conexões ou se o provedor de Internet modifica o endereço IP.


O desejo, tanto pessoal quanto profissional, de estar conectado em tempo integral rege a nossa vida cotidiana e, saber que os componentes centrais da rede doméstica ou da pequena empresa estão protegidos, proporciona uma sensação de conforto.